TARZAN VENCE GALINHO E ACABA UMA CARREIRA NEM TÃO PROMISSORA

Walmir Rosário*

De início, um aviso aos navegantes: Dessa história, eu somente conhecia uma pequena parte, que assisti e presenciei com atenção. O restante me foi passado pelo memorialista Raimundo Antônio Tedesco, que conhece, de cor e salteado, fatos pretéritos e atuais passados e acontecidos tanto em Buerarema (desde que ainda atendia pelo nome Macuco) como em Canavieiras, já devidamente corrigidos e melhorados.

Tarzan leva o Galinho de Canavieiras à lona

Estando eu em Eunápolis lá pelo começo década de 1970, num dia desses de folga, fui convidado por um amigo a assistir a uma contenda que prometia ser a do século, pelo alto grau e patente dos lutadores. De um lado, Tarzan, o sanguinário dos ringues, um itabunense que também atendia como Dal Broa, consagrado goleiro do Botafogo do bairro Conceição, que abandonou o gol e assumiu a luta livre.

Do outro lado do córner, um atleta, se é que poderia assim ser chamado, baixinho, magro, porém esbelto e com músculos aparente, apresentado como uma das revelações para a renovação do boxe sulbaiano. Embora amador, e sem um histórico de lutas (cartel) que metesse medo nos adversários, diziam que fora formado nas academias de boxe de Canavieiras, e que prometia galgar a carreira rivalizando com o galinho Éder Jofre.

À época, Eunápolis não se parecia nada com a metrópole de hoje, embora já fosse um próspero centro comercial e de serviços, sem contar com o grande número de indústrias madeireiras. Corria muito dinheiro, mas era pobre na área de diversões, o que fazia com que uma contenda de luta livre se tornasse, realmente, o evento do século para diante do escasso calendário de diversões.

Era só o que se falava em toda a cidade, com discussões e apostas, sempre com uma margem favorável a Tarzan, o sanguinário dos ringues, que reinava sozinho no próspero povoado, o maior do mundo, como se orgulhavam. Tarzan, todos conheciam, e seus feitos já ultrapassavam “as fronteiras”, principalmente após derrotar, nos primeiros rounds, dois lutadores de Itamaraju, vencedores nos estados do Espírito Santo e Minas Gerais.

Do outro lado, os que torciam contra Tarzan queriam vê-lo derrotado, justamente por um atleta iniciante, boxista, peso-leve, como o ídolo Éder Jofre, que poderia se mover de forma incessante no ringue, até cansar o adversário. Nas constantes discussões, o lutador canavieirense era ressaltado pela sua jovialidade, e que desbancaria um lutador gordo, fora de forma e ultrapassado. Seria questão de minutos, diziam.

Parecia até coisa do destino, quando na sexta-feira chegou a Eunápolis um funcionário do Banco do Brasil, que ao tomar conhecimento da luta, exaltou os feitos do lutador canavieirense, aumentando o interesse e o ranking de aposta. E a luta passou a ser destacada como a “guerra” entre Davi e Golias, na qual o pequeno venceria o gigante, exatamente como estava escrito na Bíblia.

E esse zeloso funcionário do Banco do Brasil contou passagens da vida pregressa do galinho canavieirense, mostrando sua evolução física, desde que deixou o distante povoado do Pela Jegue, onde morava até chegar ao Três Xis, na cidade de Canavieiras. Já àquela época, disse que ele não levava desaforo para casa, e era um “Ás” nas brigas e lutas, perdendo apenas uma, por nocaute, para o Crente da Pipoca, mas que não seria uma mancha em seu currículo, o que aumentou seu cacife na banca de apostas.

À noite de sábado, num movimentado bar, próximo às casas de diversões noturnas, chegaram a levantar suspeitas da luta, que seria uma armação, com a finalidade de ganhar dinheiro. O que perdesse pediria revanche, e uma nova luta seria realizada no próximo domingo, com a renda dividida entre eles, inflamando ainda mais o debate, e por pouco não chegariam às vias de fato, não fosse a turma do deixa disso.

Domingo à tarde, ambiente lotado, como nunca foi visto, cerveja, whisky e outras bebidas rolando pelo salão, eis que chegam os lutadores, cada um com sua torcida, levando a plateia ao delírio. Roupa trocada, sobem ao ringue, o árbitro passa o regulamento e eles partem para o primeiro round, com fortes investidas do galinho boxeador para cima de Tarzan, o sanguinário dos ringues.

Soa o gongo, cada um para o seu córner, tomam água, molham a cabeça e voltam ao centro do tablado. De novo, o galinho canavieirense investe em Tarzan, que experiente, começa a se esquivar e rodar pelo ringue. Volta e meia, quando vê a guarda aberta, aplica uns diretos no fígado. No terceiro round, o galinho boxeador já não volta com tanto ímpeto recebe mais uma meia dúzia de ganchos no fígado e perde a mobilidade.

Experiente, o Tarzan abre a guarda, oferecendo a cara para o galinho boxeador, que cai no lero do esperto lutador, que inicia uma série de golpes até derrubar o adversário, que cai e não consegue mais levantar. A plateia foi ao delírio e chamaram um médico para atender o atleta, que sequer conseguia respirar. Medicado, foi aconselhado a ir ao hospital tomar duas injeções e se recolher ao descanso do lar por semanas. E assim foi feito.

Foi uma carreira curta, de sucesso, que mesmo efêmero, conseguiu provocar e dividir a população de Eunápolis em torno da chamada luta do século, o que não aconteceu dentro das expectativas. Com o numerário ganho nas lutas (principalmente essa) em Eunápolis, Tarzan voltou a ser o Dal Broa, abandonando as lutas e se tornando comerciante do ramo de bebidas e comidas de sustança em Itabuna, no conceituado Mocotó do Tarzan.

Já o nosso galinho boxeador, após ouvir os amigos, resolveu seguir os conselhos e se dedicar às atividades profissionais de músico “crooner” em alguns conjuntos, escritórios, dirigindo grandes empresas nas áreas pública e privada, até a sonhada aposentadoria. Hoje, leva uma vida bucólica, devotada à família e aos amigos, e o sonho de se tornar o novo Éder Jofre já faz parte de um passado muito distante. Foi apenas um sonho que acabou não se tornando realidade.

*Radialista, jornalista e advogado.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!