EM CANAVIEIRAS, BECO JÁ FOI LOCAL DE RESPEITO

Walmir Rosário*

Não que agora não os sejam. Mas é que os tempos mudam e nem sempre os costumes mais antigos costumem acompanhar o modismo. Mas é assim mesmo. Quando digo que o beco – ou seu plural – já foi local de respeito, digo e provo. O próprio Beco do Fuxico – para uns Beco do Progresso (mas que não acho graça) – teve seus dias de glória.

No seu apogeu – e foram muitos anos na crista da onda – era palco de botecos famosos frequentados por quem de direito e tinha negócio para tanto. Outros menos votados também faziam incursões etílicas de pouca monta, mas nem por isso menos importante. Botecos tantos de vizinhança famosa, afinal um nome desses não se empresta – doa ou vende – à toa.

Tendas – ou oficinas, como queiram – de mestres em alfaiataria, sapataria, quitandeiros e outros especialistas nas artes eram figuras conhecidas por exercerem seus ofícios na dita cuja área, cuja fama ultrapassava mangues e praias, espalhando-se além fronteiras. Era, sobretudo, um local de farto saber e conhecimento.
Sim, isso mesmo, pois em que locais se reuniam esses mestres para falar do dia a dia de suas labutas e da vida alheia? Local mais apropriado do que um boteco, impossível! E implantado no Beco do Fuxico, melhor ainda, pois não existe em qualquer lugar do mundo com tamanha competência, curriculum ou DNA, como queiram.

Mas como tudo que sobe, desce, o Beco não resistiu e as portas ditas do progresso foram sendo fechadas. Com o afastamento dos mestres em ofícios dos mais diversos e a diminuição da frequência do cais do porto, os botecos foram cerrando as portas e se mudando de endereço. Espalharam-se para o Norte, Sul, Leste e Oeste. Bastar dar uma corridinha e conferir in loco.

BECO DO BERIMBAU
Este, o Berimbau, foi local de resistência da boemia canavieirense por muitos anos. Até que morte nos separe, foi a regra. Enquanto comandado por Neném de Argemiro sentou praça e fez história, contada em prosa e verso – mais prosa do que verso – por conta das verdades melhoradas contadas por um dos membros – ou confrades – mais assíduos: Raimundo Antônio Tedesco, historiador tido e havido como grande conhecedor da arte de contar causos.

Confrade, eu disse, e repito com todas as letras, haja vista o surgimento ou o achamento, no vocabulário de qualquer his(es)toriador que se preze da dita arte. Pois bem, esse foi o nome dado aos frequentadores do boteco O Berimbau, por tomarem parte na Confraria d’O Berimbau, nome recebido na pia batismal de qualquer botequim que se preze: o pé de balcão.

Mas como anteriormente disse, “até que a morte nos separe”, O Berimbau, de nome e importância na praça, continuou a ser frequentado até a aposentadoria de Neném de Argemiro e sua última viagem à eternidade. Sem Neném, calou-se o trompete, calaram-se os confrades (apesar da teimosia em continuar sentando praça no local). Não se ouve qualquer barulho de copos, não é sentido o olfato do mal-assado.

O silêncio no Beco de O Berimbau ainda ecoa na memória dos que frequentaram o boteco e nas histórias contadas sobre a “Galeota de Ouro”, que por anos a fio escolhia o “melhor entre os piores” para conceder tão humilhante troféu, ou distinta honraria, a depender do distinto. Melhor congraçamento nunca houve antes na história de Canavieiras e que ficou gravado para a posteridade. A cisão entre os confrades enterrou nas cinzas do braseiro onde eram assados os espetinhos de gato oferecidos aos convidados.

Como dizia aquela publicidade antiga: “Bastante imitada, mas nunca igualada”.

ENDEREÇO ANÔNIMO – Hoje, o Beco de O Berimbau faz parte, ou melhor, ostenta no Código de Endereçamento Postal de Canavieiras com nome metido a besta: Rua Dr. João de Sá Rodrigues (nada, absolutamente nada contra o patrono). Mas, nos guardados de um dos confrades, o Antônio Amorim Tolentino (Tolé), está estampado: Beco de O Berimbau, da esquina de Tião da Kombi até a Rua Dr. José Marcelino.

*Blogueiro e apreciador das artes dos comes e bebes.

Print Friendly, PDF & Email

Um comentário em “EM CANAVIEIRAS, BECO JÁ FOI LOCAL DE RESPEITO

  • 13 de novembro de 2018 em 09:10
    Permalink

    Interessante essa historia, mais peço que escreva, sobre o beco do progresso, onde existia a visgueira de Trajano babosa, indo na mesma direção a alfaiataria do saudoso mestre China, onde se discutia o futebol da cidade onde existia o Independente do saudoso zagueiro Sr. Epaminondas ou Nondas “conhecido como esteio da zaga” do atacante Cavaquinho que era do time de Essinho, do time União e Satelite. além é claro das fofocas das mais variadas.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!