http://tabuonline.com.br/wp-content/uploads/2019/02/publi_728x90px.gif

Apicultura ajuda a manter famílias no campo e a preservar o meio ambiente

Famílias dos municípios de Eunápolis, Itabela, Guaratinga, Itagimirim e Belmonte encontraram na produção de mel uma possibilidade de permanecer e prosperar no campo. Eles contam com o apoio do Projeto Abelha Rainha, desenvolvido pela Veracel e associações de apicultores dos municípios, com o apoio da CEPLAC.  O projeto atende 164 famílias e oferece apoio técnico e material para os apicultores. Seu objetivo é aumentar a produtividade das colmeias por meio da seleção genética, produção e distribuição de abelhas rainhas de gênero Apis e, com isso, gerar renda para as famílias.

A Associação de Apicultores de Guaratinga foi criada em 2006 e conta com 52 apicultores. “Tínhamos pasto apícola no município e percebi que alguns produtores rurais tinham interesse em ingressar nesta atividade. Criamos a associação e procuramos a Veracel”, contou Jorge Barreto Brito, o primeiro presidente da Associação.

O agente comunitário de apicultura Anderson Jucie é um dos fundadores da associação e enxergou na apicultura uma forma de permanecer no campo. Hoje é instrutor do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e acredita no potencial da apicultura da região. “Para muitos apicultores, a produção de mel é um complemento da renda familiar. Para mim é a renda principal”, ressaltou Anderson.  

Precedidos de Termos de Parceria Rural, os apicultores utilizam os pastos apícolas localizados nas áreas de preservação ambiental próximas ao plantio de eucalipto da Veracel.  Para o diretor de Sustentabilidade e Relações Coorporativas da Veracel, Renato Carneiro, esta é uma iniciativa importante que concilia atividades apícolas com as operações da empresa e gera renda para os vizinhos. “Criamos a oportunidade e organizamos a utilização das florestas para gerar renda ao homem do campo na região”, comentou.

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL – No município de Itabela, a funcionária pública Luciléia de Jesus Santos passou a ter uma nova opinião sobre a importância das abelhas na preservação do meio ambiente depois que seu marido começou a trabalhar como apicultor. Hoje, ela é uma apicultora engajada na defesa das abelhas. “A apicultura para mim representa vida. Se acabarmos com as abelhas, terminaremos com os alimentos”, enfatizou Luciléia.

Além de trabalhar como merendeira em uma escola municipal, Luciléia é uma das três mulheres entre os 23 apicultores que fazem parte da Associação dos Apicultores de Itabela (Apisbela). “Tenho outro trabalho porque ainda não conseguimos produzir mel o ano todo, mas o que conseguimos com a venda do mel representa uma renda extra muito importante”, contou ela, afirmando que a meta do grupo é buscar outras floradas para conseguir ampliar a produção apícola.

Fonte: Alisson Andrade

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!