http://tabuonline.com.br/wp-content/uploads/2019/02/publi_728x90px.gif

O homem na lua em Canavieiras

– Ouvi pelo rádio, em casa, a narrativa sobre a chegada do homem à lua. Foi emocionante. Esse desembarque dos dois primeiros humanos na lua foi um fato muito comentado também aqui em Canavieiras.

A declaração é do historiador Durval Filho, na época um moço de 23 anos, e trabalhando no Banco do Brasil já há 5 anos. Ele recorda de que entre pessoas mais idosas houve certa descrença quanto à veracidade desse desembarque.

O extraordinário fato ocorrido há 50 anos (20 de julho de 1969), foi notícia na capa da edição da 2ª quinzena daquele mês e ano de Tabu.

Aos 17 anos, Alcides Costa Neto era estudante da Emarc em Uruçuca e ouviu a notícia pela Rádio Jornal de Itabuna, onde trabalhava o também canavieirense Courtiney Guimarães.

No dia seguinte é que ele viu a matéria no aparelho de TV da escola, um dos primeiros a ser instalado em Uruçuca, na sala de recreação do Grêmio Ignácio Tosta Filho.

Foi também pelo rádio que Antonio Tolentino ouviu a notícia, em companhia de sua mãe dona Messias, em Camacã, onde trabalhava na firma Antonio Benjamin.

Ele revela que nessa hora, de manhã bem cedo, ainda estava meio grogue do vinho servido aos garrafões no dia anterior, numa festa de que participara ali no km 18, organizada pelo professor Cosme Araújo e outras pessoas da Igreja Católica.

O jornalista e advogado grapiúna Walmir Rosário, radicado em Canavieiras há 6 anos, jogava dominó e bebia umas geladas no bar do Ribeiro, na rua de Mutuns, no bairro de Fátima, quando do grande acontecimento.

– Me lembro de que entre os presentes teve gente que encarando o fato com forte dose de incredulidade, recorda Rosário.

Em Canavieiras nessa época existiam pouquíssimos aparelhos de televisão, um deles, o pioneiro, na loja de automóveis da firma Antonio Benjamim, na Rua 13.

Foi nessa loja que muitos canavieirenses tiveram seu primeiro contato com a TV e, especialmente nesse dia, houve a presença de grande púbico. Algumas pessoas comemoraram o fato na lanchonete Barcaça, hoje McVita.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!