http://tabuonline.com.br/wp-content/uploads/2019/02/publi_728x90px.gif

Caneta azul… ou vermelha?

Corria o ano de 1984 quando estava em marcha uma campanha pela emancipação do distrito de Santa Luzia.

Apoiava a emancipação praticamente todo mundo: o então prefeito Almir Melo, os ex-prefeitos Boinha Cavalcante e Osmário Batista, um outro líder político santaluziense bastante forte, Agnaldo Ferreira dos Santos, que por sinal foi prefeito de Santa Luzia mais tarde e morreu no exercício do cargo.

Aí então surgiu uma divergência entre Osmário e Agnaldo: cada um queria mostrar mais força e prestígio, aparecendo como o “pai da emancipação”, de olho na futura eleição que elegeria o primeiro prefeito do novo município.

Foi quando Osmário decidiu: – Meus liderados votarão Sim riscando o quadrinho da cédula eleitoral com caneta vermelha.

– Será com caneta azul o X na cédula eleitoral dos meus liderados, decidiu Agnaldo.

Logo em seguida Agnaldo mandou vir um grande carregamento de caneta azul de Salvador, enquanto Osmário já providenciava a vinda de caixas e mais caixas de caneta vermelha.

Aí a Justiça Eleitoral vetou esse tipo de plebiscito de voto marcado pela cor… o risco no quadrinho do X podia ser com caneta azul, vermelha, preta, verde, lilás… que o voto mostrasse claramente a vontade do eleitor, sem qualquer indício de que ele estava identificando se votou Sim ou Não. 

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!